Victory 8B


Em Agosto de 1997 o navio de bandeira grega, o Victory 8B, foi apreendido a pedido do Banco Central da Grécia, em decorrência à multa por atraso na entrega da carga, ficando, então, a embarcação impedida de deixar o porto de Vitória. Após permanecer dezoito meses a bordo do navio apreendido, já sem combustível, água potável nem comida, a tripulação de 22 romenos pediu extradição a Policia Federal e o cargueiro de 4.148 toneladas foi abandonado na baia de Vitória-ES.

Durante a noite a embarcação ficava às escuras, oferecendo risco de acidentes. Em uma madrugada de vento sudoeste a corrente da âncora rompeu-se e o navio, sem tripulantes, ficou à deriva. Depois de resgatado, o Victory 8B passou a ser chamado de "O Navio Fantasma".

Em pouco tempo, sua capacidade de flutuação estava comprometida por falta de manutenção preventiva. Nesse momento, o naufrágio da embarcação produziria um desastre ecológico e o bloqueio na entrada do porto de Vitória.

Foi então que a Secretaria de Meio Ambiente do Espírito Santo incorporou em 1999 o navio ao projeto “Recifes Artificiais Marinhos do ES”.

O projeto de pesquisa foi elaborado com base na necessidade de se obter subsídios para avaliar a evolução das potenciais alterações físicas, químicas, biológicas e geomorfológicas/sedimentológicas induzidas pela criação de um recife artificial marinho, neste caso específico, o afundamento controlado de um navio.

Depois de 500 dias de trabalho o navio ficou totalmente limpo e pronto para o lançamento controlado. A equipe Atlantes participou ativamente de todas as etapas do processo.

Finalmente, em 3 de julho de 2003, o Victory 8B foi afundado na costa de Guarapari (ES), entre as Ilhas Rasas e Escalvada, sendo transformado em um dos maiores Recifes Artificiais da América Latina e hoje repousa a 36 metros de profundidade. A partir do início de 2011, o casario adernou cerca de 40º para boreste. O casario de popa ainda domina o cenário e sua chaminé encontra-se a cerca de 19 metros. À frente dela, uma bóia presa por corrente dá apoio à descida e subida dos mergulhadores.

Em 2006 o Victory sofreu com uma tormenta. A superestrutura está igual, sem mudança nenhuma. Mas a partir do segundo porão até a proa ele está todo mudado.

O costado de bombordo caiu sobre os porões e o de boreste sobre a areia. O casco arrastou parte da antepara que separava os porões, porém não conseguiu deita-la no fundo, ficando com uns 30 graus de inclinação. Na proa a mesma coisa. O costado de bombordo, apoiado nos porões, e o de boreste, apoiado na areia.

Apesar do cargueiro ter sido preparado para a penetração, infelizmente hoje esta prática é desaconselhada devido a enormes rachaduras em seu casco, como poderão ver no vídeo, o que aumenta enormemente o risco de desmoronamento e acidentes, muitas vezes fatais neste tipo de esporte.

O objetivo do programa foi executar o monitoramento ambiental da área de afundamento do Victory 8B.

Não foi detectado nenhum impacto negativo no local do lançamento nem na região circundante.

O aumento de biomassa no local e o crescimento do turismo superaram as melhores expectativas, atingindo positivamente a todos os setores da comunidade.


Nenhum comentário :

Postar um comentário